Notícias - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Frei César: “O Noviciado não nos deixa prontos. Ele é só o começo!”

10/01/2019

Notícias

Moacir Beggo

 Rodeio (SC) – O Noviciado São José de Rodeio (SC) viveu, nesta quinta-feira (10/01), um dia histórico com a Primeira Profissão Religiosa na Ordem Franciscana de dezessete jovens que concluíram a etapa do noviciado (também chamado “ano de provação”) na Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil, sendo cinco deles procedentes da Fundação Imaculada Mãe de Deus de Angola, a última turma a fazer o Noviciado no Brasil, já que neste ano tem início esta etapa em Angola. O Ministro Provincial, Frei César Külkamp, presidiu a primeira celebração dos votos temporários desde que foi eleito no Capítulo Provincial em novembro último. Ele teve como concelebrantes o guardião Frei José Antônio Duarte, que se despede de Rodeio nesta Celebração, e Frei Mário Stein, o novo guardião da Fraternidade do Noviciado.

A celebração marcou também a despedida do mestre Frei Samuel Ferreira de Lima depois de nove anos à frente desta etapa formativa. Ele, assim como o guardião anterior, Frei José Antônio, terão as mesmas funções, só que desta vez na Fraternidade São Boaventura, em Rondinha, junto aos frades professos temporários no tempo da Filosofia. Para o lugar de Frei Samuel, assume Frei Rodrigo da Silva Santos.

Frades de toda a Província, religiosos (as) da região, paroquianos e familiares lotaram a Matriz São Francisco de Assis para participar desta celebração franciscana que se repete em Rodeio (SC) há 117 anos.

Durante duas horas, o rito intenso da profissão tomou conta e emocionou os professandos: Frei Daniel Maciel; Frei Francisco Teixeira Junior; Frei Franklin Matheus da Costa; Frei Gabriel Nogueira Alves; Frei Guilherme Plotegher Neto; Frei Josielio da Silva Oliveira; Frei Lucas Moreira Almeida; Frei Marcelo Tadeu da Silva Cardoso; Frei Roberto Rocha da Silva; Frei Sérgio Hide Honna; Frei Thierry Melo de Paula; Frei Yves da Costa Bernardes Leite; e cinco angolanos da Fundação Imaculada Mãe de Deus (FIMDA): Frei Abel Ndala Sahuma Nganji; Frei Clementino Samuel Miguel; Frei David Vicente da Conceição Gaeita; Frei Luís António Gungo; Frei Valódia João Manuel Baptista Manuel. Depois da Liturgia da Palavra, cada noviço foi chamado pelo Mestre Frei Samuel e apresentado ao Ministro Provincial. Em seguida, Frei Yves da Costa Bernardes Leite, em nome de todos, fez o pedido para que “digneis admitir-nos à santa profissão na Fraternidade dos Frades Menores”.

Frei César respondeu: “Bendito seja Deus, que vos escolheu para conosco caminhardes em nova vida”. Segundo o Ministro Provincial, esses jovens são admitidos à Profissão temporária para levar à maior plenitude a consagração batismal. “Eles se entregam totalmente a Deus pela profissão da obediência, da pobreza e da castidade, que deve ser vivida segundo o espírito de São Francisco”, situou.

OS NEOPROFESSOS

Frei César explicou que, nesta Igreja de São Francisco de Assis, hoje foi um dia de graça abundante de Deus, dentro deste período chamado “Ano da Graça”, este tempo privilegiado dos Frades Menores quando são iniciados no seguimento de Cristo, do jeito que O seguiu São Francisco de Assis. “Nós o fazemos assumindo e integrando os valores que o Santo de Assis nos deixou e também nos deixaram a história e a tradição da nossa Ordem, juntamente com os valores e dons que cada um traz consigo, herdados de sua família, de sua comunidade de origem e das próprias convicções e experiências da fé cristã. Este é o grande trabalho do ano do Noviciado”, disse o Ministro Provincial.

“Hoje são vocês, caros confrades noviços, que vivem conosco e com toda a Província, também a Fundação Imaculada Mãe de Deus de Angola, este dia de graça, no fim deste privilegiado tempo do Noviciado Franciscano”, comemorou.

Segundo Frei César, a palavra de Cristo ouvida nesta Celebração Eucarística “refaz a nós o convite de segui-Lo”. Jesus estava a caminho da Galileia para Jerusalém, e vem ao seu encontro um jovem rico que, apesar de ser bom e seguir os mandamentos da Lei desde a infância, não foi capaz de deixar seus bens para seguir o caminho do Mestre Jesus. “São Francisco, na Regra de Vida que nos deixou, pede a nós ‘seguir a doutrina e as pegadas de Nosso Senhor Jesus Cristo que diz: ‘Se queres ser perfeito, vai e vende tudo que tens e dá aos pobres e terás um tesouro no céu; e vem e segue-me'”, disse Frei César, citando a Regra Não Bulada, 1.

Segundo o Provincial, aqui estavam todos os queridos confrades, terminando o ano de provação e pedindo para serem recebidos à obediência. E, nesta tarefa de mostrar o teor da forma de vida dos frades menores, cada um teve um papel importante: o ministro que recebeu esses noviços, Frei Fidêncio Vanboemmel, o mestre desta etapa, Frei Samuel, o guardião, Frei José Antônio, outros formadores, a Fraternidade toda do Noviciado e, principalmente, a pessoa de cada um dos noviços. “Apesar das distintas competências, uma coisa foi e é fundamental para todos: ‘Seguir a Jesus Cristo, viver o Evangelho segundo a forma vivida e proposta por São Francisco de Assis’. Aí está a alma unificadora da nossa fraternidade. É nesta divina inspiração que nós somos todos irmãos em uma mesma fraternidade”, exortou.

“E é aí também que descobrimos que o Noviciado não nos deixa prontos neste caminho. Ele é só o começo, mas ao mesmo tempo, é fundamento para a nossa vida consagrada”, ressaltou, lembrando que o ideal franciscano não é o de chegar a algum lugar, mas de caminhar sempre, porque também o Cristo, nesta vida, não parou. “Os Evangelhos o retratam sempre caminhando, em viagem. Parece aquela atitude que o Papa Francisco pede hoje a toda a Igreja: ‘em saída'”, acrescentou.

O DISCIPULADO

Frei César lembrou ainda que o discipulado não é um aprendizado que visa ao acúmulo de saberes intelectuais. “Ele é descrito mais como uma busca. E esta nos leva a caminhar, escutar, experimentar e exercitar. O nosso Mestre e também nosso Caminho precisa ser descoberto. Ele se esconde na humildade de seus mistérios, especialmente de sua Encarnação e de sua Paixão. Isto não é conhecimento abstrato, mas aquilo de que São Francisco nos fala quando diz que a nossa vida é o Evangelho, ou seja, a vida mesma de Jesus, o perfeito obediente à vontade do Pai”, explicou.

Segundo o Ministro Provincial, descobrir esta vontade do Pai é uma tarefa delicada, porque pode ser confundida com subjetividade, com as escolhas e desejos de cada um. “Mas Francisco de Assis é um referencial muito claro para nós deste seguimento ao se fazer discípulo de Cristo de um modo muito próprio e tão concreto que se tornou um homem-encontro porque foi capaz de abaixar-se e vencer-se a si mesmo e o fez a tal ponto que se tornou acolhida ao outro. A ele acorreram homens e mulheres dos lugares mais distantes, dos pensamentos mais diversos entre si. Francisco também vai ao encontro do diferente e não de encontro. Sua postura não agride”, observou, recordando que estamos celebrando os 800 anos do encontro de Francisco com o Sultão, no Egito, e os 800 anos de sua chegada à Terra Santa, tomada pelos muçulmanos em pé de guerra com os cruzados cristãos. “Porque Francisco se faz encontro, não o vê como ameaça e não se apresenta como inimigo. Dois homens tão diferentes na cultura e vivência religiosa, conseguem encontrar um belo consenso na sua convivência e a harmonia da paz, tão sonhada. Tudo isso porque o seguimento de Francisco é movido pela positividade da fé, da superação do próprio eu para abandonar-se livre em Deus. É daí que vem sua profunda serenidade. É dessa atitude que podemos nos libertar do idealismo exasperado e do dogmatismo cego, tão presentes em nosso tempo e em nossa realidade brasileira”, criticou.

Francisco, segundo o frade, nos ensina com sua vida e suas atitudes o que significa transbordar de generosidade. “E faz isso porque Deus é assim: amou-nos por primeiro e até o fim! Assim ser discípulo significa, nas palavras de Francisco, ‘possuir o Espírito do Senhor e seu santo modo de operar'”. Não é tarefa fácil para nenhum de nós! Mas o Noviciado terá sido fundamento para vocês se ajudou neste exercício do silenciar para poder escutar e para poder ver. Ouvir o que não tem som e ver o que não tem forma”, observou, indicando que o lugar do discípulo é neste mundo confuso e barulhento. “Mas é o lugar da encarnação do nosso Deus, por isso também é o lugar da nossa missão. Não podemos fugir do mundo e nem devemos. Mas, precisamos, inseridos no mundo, que é o nosso claustro, em suas periferias geográficas e existenciais, continuar a nossa busca pelo essencial, que não pode ser confundido pela distração silenciosa das tecnologias nem pelo barulho das ideologias que se pretendem absolutas”, indicou.

Frei César terminou sua reflexão tomando Maria como modelo de discipulado, a mulher do silêncio e da escuta, que soube dizer sim à vontade de Deus. “Ela, que é a Rainha da Ordem dos Frades Menores, ajude a cada um de nós a permanecermos firmes na fidelidade, para conhecermos melhor a vontade daquele que nos chamou à santidade, a perseguir os seus passos!”, completou.

Depois da homilia, os professandos se aproximaram do Ministro Provincial e foram interrogados se estavam preparados para se consagrarem a Deus e buscarem a perfeição da caridade segundo a Regra e as Constituições da Ordem Seráfica. Depois se ajoelharam e fizeram a profissão. Terminado este momento, cada neoprofesso recebeu a Regra e as Constituições e entregou o documento assinado da Profissão.

EMOÇÃO NOS AGRADECIMENTOS

O neoprofesso Frei Abel Ndala Sahuma Nganji falou em nome da turma de noviços deste ano. “A Província da Imaculada Conceição e a Fundação Imaculada Mãe de Deus de Angola hoje encerram a 117ª turma de noviços com 17 jovens que disseram ‘É isso que eu quero, é isso que desejo de todo o coração’. Esse tempo só foi possível de ser vivenciado graças ao trabalho desenvolvido durante o tempo de formação até o Noviciado”, disse Frei Abel, agradecendo a Deus, aos formadores, familiares e benfeitores, ‘todos aqueles e aquelas que rezam pelas vocações e pela perseverança de quem iniciou essa trilha no seguimento de Nosso Senhor Jesus Cristo ao modo de São Francisco’”.

Ao agradecer a Fraternidade Local, formadora deles nesta caminhada, destacou o mestre Frei Samuel Ferreira de Lima, que se muda do Noviciado depois de nove anos. Foi interrompido por uma longa salva de palmas. A homenagem o fez emendar um canto de agradecimento.  Em nome de Frei César, ele agradeceu aos frades da Província e da Fundação de Angola, sem esquecer de agradecer à Igreja local, aos paroquianos de Rodeio, aos religiosos e religiosas de Rodeio e região, entre eles a OFS.

Frei César agradeceu especialmente à Fraternidade formadora de Rodeio, assim como a comunidade e os familiares dos noviços. Frei César confiou aos novos formadores a nova turma de noviços, que terá  Frei Mário Stein no lugar de Frei José Antônio; Frei Rodrigo, que não esteve presente por estar fazendo um curso,  no lugar de Frei Samuel. Citou os nomes de todos os frades formadores e falou que, depois de 20 anos, o Noviciado não teria mais a presença dos angolanos. A Missão de Angola agora terá a sua Casa-Mãe e neste ano serão admitidos dez noviços na Fraternidade Santo Antônio de Quibala. “É motivo de alegria depois de quase 30 anos de presença em Angola ter o Noviciado lá na Fundação. É uma graça de Deus e, na pessoa de vocês cinco, que vieram fechar este ciclo de presença, mas não de pertencimento a esta Província, a esta terra, meu muito obrigado pela presença e por partilhar a cultura de vocês, que hoje cantamos nesta Celebração. Então, queremos continuar sendo uma só Província com a Fundação Imaculada Mãe de Deus de Angola”, enfatizou o Ministro Provincial.

Frei Samuel também fez um agradecimento emocionado. “Hoje é dia de louvar a Deus por toda a acolhida que esta cidade sempre nos deu. O Noviciado sempre foi muito acompanhado pelas famílias e pelo povo daqui. A gente nunca trabalhou sozinho, mas sempre tivemos o apoio dos paroquianos, dos confrades, dos colaboradores, dos benfeitores. Isso nos dá alegria. Estaremos juntos na oração e no coração”, agradeceu emocionado.

Os neoprofessos viajam nesta sexta, 11 de janeiro, para suas cidades e os angolanos viajam para São Paulo, de onde seguirão para Angola no sábado (12/01), onde vão cursar Filosofia por três anos e, depois, retornam ao Brasil para fazerem o Curso de Teologia no Instituto Teológico Franciscano de Petrópolis.


VEJA MAIS IMAGENS DA CELEBRAÇÃO DESTE NOITE